Conselhos profissionais tentam agravar desproteção social por meio de práticas antissindicais

Emissão de Guias

Clique para gerar a guia.Ir

Cursos e Eventos

 

Acesse nosso portal de eventos.ir

Artigos

 

Acessar artigos IR

Clipping

CNPL na mídiaIR

Smaller Default Larger

Conselhos profissionais tentam agravar desproteção social por meio de práticas antissindicais

No momento em que o Brasil passa pelo maior retrocesso social de sua história e os trabalhadores têm seus direitos fortemente agredidos, alguns conselhos profissionais simplesmente decidiram agravar a desproteção da classe trabalhadora por meio de práticas antissindicais. Nesse contexto, cabe a nós, trabalhadores, entender porque atacar o trabalho histórico do movimento sindical e o que está por trás disso?

Não compete aos conselhos profissionais interferir, indevidamente, no papel social, administrativo e jurídico das entidades sindicais. Não cabe a eles se pronunciarem contra o principal subsídio que mantém viva a luta em defesa de direitos dos trabalhadores. Cabe sim, fazer cumprir a responsabilidade que lhe é de origem, de disciplinar e fiscalizar o exercício profissional.

Os conselhos profissionais, por seus atos constitutivos são autarquias, fazem parte da Administração Pública Federal. E por definição, só podem exercer sua autoridade dentro dos limites estritos na lei: aos Conselhos é vedado pela Constituição Federal, estabelecida no artigo 8º, inciso I, a interferência e intervenção na organização sindical. E, ainda, insistindo neste caminho, os Conselhos insurgem-se contra a Administração Federal, ao incentivarem a sonegação fiscal, uma vez que, a Contribuição Sindical é um tributo e parte dele é direcionado para os cofres do governo federal.

Em seu dever democrático, a Confederação Nacional das Profissões Liberais – CNPL, afirma que todo e qualquer conselho profissional que aderir a práticas antissindicais será denunciado ao Ministério Público do Trabalho (MPT), bem como ao Tribunal de Contas da União (TCU) e a Receita Federal por ferir a Constituição Cidadã e a legislação nacional, por descumprir seu papel social e também por acobertar a omissão do pagamento de tributo do estado.

Se as maiores autoridades da justiça do trabalho no Brasil têm o entendimento favorável à classe trabalhadora, à luta sindical e à proteção social, os conselhos profissionais não têm fundamentação alguma para levar adiante esse posicionamento equivocado. O próprio Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu, por meio de Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF, que a Contribuição Sindical possui natureza jurídica de tributo, e, consequentemente, aplica-se o disposto nos artigos 146 e 149 da Constituição Federal.

A denúncia será coletiva e com abrangência nacional – Confederação, Federação e Sindicato -, para combater a precarização nas relações de trabalho e também barrar a tentativa de fragilização da luta sindical. Muito além de denunciar essa tentativa inconsequente dos conselhos contra o próprio desenvolvimento do país, a CNPL assegura que seguirá aguerrida com o trabalho de representação dos profissionais liberais. Pelo respeito e pela dignidade nas relações de trabalho, hoje e sempre.

Carlos Alberto Schmitt de Azevedo
Presidente – Confederação Nacional das Profissões Liberais

Pin It
porno
sohbet hatti

Acesso Rápido

sohbet numaralar
porno video

CNPL nas Redes Sociais

canli porno - sex - pornolar