Delegação brasileira de trabalhadores defende promoção do trabalho decente na 107ª Conferência Internacional do Trabalho

Emissão de Guias

Clique para gerar a guia.Ir

Cursos e Eventos

 

Acesse nosso portal de eventos.ir

Artigos

 

Acessar artigos IR

Clipping

CNPL na mídiaIR

Smaller Default Larger

Delegação brasileira de trabalhadores defende promoção do trabalho decente na 107ª Conferência Internacional do Trabalho

A bancada de trabalhadores na delegação brasileira da 107ª Conferência Internacional do Trabalho defendeu, nesta terça-feira, dia 5 de junho, em Genebra (Suíça), a promoção do trabalho decente no Brasil. A representação de trabalhadores entende que a valorização da Organização Internacional do Trabalho (OIT), como organismo de equilíbrio, e o diálogo social são os melhores caminhos para consolidar relações dignas de trabalho no país.

Para a bancada de trabalhadores, a violação das convenções 98 e 154 da OIT reflete com exatidão o fomento da negociação individual em detrimento da negociação coletiva. Bem como demonstra o ataque ao direito dos trabalhadores de buscar auxilio judicial para suas demandas e gera, ainda, o enfraquecimento geral de todo o sistema de proteção dos trabalhadores. Esses elementos distancia, cada vez mais, o Brasil da Agenda de Trabalho Decente.

Além disso, a bancada de trabalhadores fez duras críticas ao discurso alinhado de representantes do governo e dos empregadores em favor à reforma trabalhista. Enquanto o ministro Helton Yomura afirmou que o Brasil cumpre as convenções da OIT, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, afirmou que é "inaceitável" apontar o país como descumpridor de obrigações trabalhistas. Para os trabalhadores, muito além de corroborar com o poder econômico, o posicionamento contra a própria nação agrava as crises política, econômica e ética.

 No pronunciamento em nome dos trabalhadores, o presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), José Calixto Ramos, ressaltou a importância da 107ª Conferência Internacional do Trabalho e de seu modelo tripartite, na busca por soluções de graves problemas mundiais. “Nosso debate não se restringe a debates cooporativos. Buscamos a melhoria das condições de vida dos seres humanos, por meio da efetivação do trabalho decente em todas as nações”, ressaltou. 

A Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), também alertou que apesar do cenário de controvérsia estabelecido pela reforma trabalhista nos últimos seis meses sobre a obrigatoriedade da contribuição sindical, o governo federal continua prevendo sua arrecadação na Lei Orçamentária Anual (LOA) e na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Uma cota de 10% a 20% da contribuição sindical vai para o Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), ligado Ministério do Trabalho (MTE). Por isso, essa receita é contabilizada no Orçamento.
Segundo o presidente da CNPL, Carlos Alberto Schmitt de Azevedo, é no mínimo contraditório tentar compreender que o mesmo governo que contabiliza o recolhimento proporcional da contribuição sindical em suas finanças, paralelamente nega que essa contribuição sindical possua natureza tributária. Além disso, o governo federal ainda propaga um discurso contrário ao que está previsto na Constituição acerca da legalidade das entidades sindicais efetuarem cobrança da contribuição sindical junto à categoria representada.
Por fim, a bancada dos trabalhadores foi enfática ao afirmar que é preciso intensificar o combate à uma legislação trabalhista que promove a precarização das relações de trabalho e legaliza diversos modelos de trabalho que não são garatem o mínimo de dignidade aos trabalhadores.

 

 

Pin It
porno
sohbet hatti

Acesso Rápido

sohbet numaralar
porno video

CNPL nas Redes Sociais

canli porno - sex - pornolar