Saúde infantil está em baixa, assim como os índices de vacinação

Emissão de Guias

Clique para gerar a guia.Ir

Cursos e Eventos

 

Acesse nosso portal de eventos.ir

Artigos

 

Acessar artigos IR

Clipping

CNPL na mídiaIR

Smaller Default Larger

Saúde infantil está em baixa, assim como os índices de vacinação

Os últimos anos têm sido de retrocesso em relação à área da saúde e as crianças estão sendo cada vez mais afetadas.

Após 26 anos de queda sistemática, a mortalidade infantil voltou a crescer no Brasil. Em 2016, a taxa de mortalidade na infância – crianças entre 0 e 5 anos – registrou piora, indo de 14,3 para 14,9 a cada 1.000 nascidos vivos, representando alta de 4,19%. Em 2017, enquanto o mundo bateu recorde de imunização de crianças – de acordo com OMS e Unicef – o Brasil registrou o menor índice em mais de 16 anos. Em 2016, nosso país estava livre do sarampo, e tinha um certificado para confirmar o feito. Hoje, já registra 822 casos, com 5 mortes. No caso da meningite C, até pelo menos o dia 26 de julho, havia deficiência na distribuição, para os estados, da vacina meningocócica, recomendada a bebês.

Além de tudo isso, um estudo publicado em maio de 2018 na revista científica "Plos Medicine" mostra que no cenário de aumento de pobreza no Brasil, medidas de austeridade como o teto de gastos públicos e redução do Bolsa Família colocam em xeque o combate à mortalidade na infância no país. O Ministério da Saúde tentou explicar que o indicador foi afetado pela redução de 5,3% na taxa de nascimento, ocasionada pelo adiamento da gestação diante da epidemia de zika que colocou o Brasil em emergência sanitária entre novembro de 2015 e maio de 2017. 

 

“Mas o momento que vivemos não é de se estranhar vindo de um governo que critica a rotulagem de alimento como forma de alertar sobre a alta concentração de açúcar, sódio ou gorduras saturadas, e que financia campanha institucional deslocando R$ 22 milhões do Ministério da Saúde que deveriam ser usados em campanhas de utilidade pública, como vacinação”, declara o presidente da entidade, Carlos Alberto Schmitt de Azevedo.

Ainda de acordo com o dirigente, a situação atual trata-se de um sucateamento sistemático da saúde no Brasil, atingindo uma das parcelas mais frágeis de nossa população: as crianças. “Diante deste cenário, a Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL) quer assumir o protagonismo mobilizando os profissionais liberais da área da saúde para formular propostas visando o enfrentamento e reversão desta grave situação”, conclui. 

(com informações de Waldir Cardoso, diretor da CNPL)

Pin It
porno
sohbet hatti

Acesso Rápido

sohbet numaralar
porno video

CNPL nas Redes Sociais

canli porno - sex - pornolar