Generic selectors
Somente termos específicos
Buscar em títulos
Buscar em conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas

A morte de muitos direitos trabalhistas

Outras notícias

...

Greve nacional dos entregadores de aplicativo

Na próxima quarta-feira (1º), os trabalhadores de entregas que realizam seu serviço por meio de aplicativos vão paralisar suas atividades.…

Vice-governador do Paraná, Darci Piana, recebe diretores da FECOPAR para tratar de assuntos do interesse da classe contábil

Darci Piana, vice-governador do Paraná, recebeu Gilson Luis da Silva e Vilson Oliveira de Souza, diretores da FECOPAR no Palácio…

CSI promove campanha mundial para enfrentamento das consequências econômicas do Covid-19

A pandemia causada pelo novo coronavírus gerou uma crise social e econômica que colocou sob holofotes os problemas do atual…

18 de junho: Dia do Químico

Em 18 de junho de 1956, o então presidente Juscelino Kubitschek assinou a “Lei Mater dos Químicos”. Com isso, foi…

Ao conceder liminar em ADPF movida pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino e suspender a aplicação da Súmula 277 do TST,  o Ministro Gilmar Mendes, acima de tudo, abalou profundamente a paz social. Em suma, decidiu-se que, quando não renovada uma convenção coletiva, todas as suas cláusulas sociais, e são inúmeras, perdem eficácia. Os trabalhadores, por exemplo, ficam sem vale-refeição, vale-transporte, eventuais aumentos salariais, adicionais de horas extras, creches e muito mais. As convenções, em geral, contemplam cinquenta cláusulas. Segundo a decisão, nesse período, que pode ser indeterminado, aplicam-se às relações trabalhistas somente as leis contidas na Consolidação das Leis do Trabalho. Isso deverá provococar um grande terremoto nas relações entre trabalhadores, seus sindicatos e os empregadores. Há muitos anos que as cláusulas convencionais integram os contratos de trabalho. Como disse Ulysses Guimarães, se não querem que o povo sinta o sabor da carne, não lhe dê o primeiro bife. Se não nos equivocamos, o Supremo, por seu Plenário, pelo menos em intervenções obiter dictum, já disse que temos uma cláusula de proibição de retrocesso dos direitos tabalhistas, adotadas por muitos países, implícitas em nossa Carta Magna. Veremos como ficará a liminar depois da irupção de vulcões de greves por todo o país. Amadeu Roberto Garrido de Paula, advogado e assessor jurídico da Confederação Nacional das Profissões Liberais.

]]>