Generic selectors
Somente termos específicos
Buscar em títulos
Buscar em conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas

DESENVOLVIMENTO SOCIAL COMO AGENTE TRANSFORMADOR DO BRASIL

Siga e curta a CNPL nas Redes Soiais :)

Facebook
Twitter
Instagram

Outras notícias

...

CNPL promove seminário no dia 21 de maio

Na próxima semana, a CNPL promoverá um dia com diversas atividades, entre elas as AGO e AGE, além de palestras…

NOTA DE REPÚDIO

Sicontiba divulga Nota de Repúdio contra Emenda Aprovada de “Mordaça” aos Auditores da Receita Federal do BrasilO Sindicato dos Contabilistas de…

Nota sobre a Greve Nacional da Educação

A Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), tendo em vista serem as universidades que formam todos profissionais por ela representados,…

Campanha do MPT divulga conquistas dos trabalhadores obtidas pela atuação de sindicatos

“Conheça quem te representa” é o convite feito no mês dedicado à conscientização da importância das boas práticas sindicais, o…

O VIII Congresso Nacional das Profissões Liberais ampliou, no dia 17 de maio, em Brasília/DF, o debate sobre o desenvolvimento social do país. O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Douglas Alencar e o professor e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho da Unicamp, Marcio Pochmann, destacaram as principais mudanças geradas na transição de uma sociedade industrial para uma de serviços e fizeram uma análise do atual cenário do Brasil, frente aos eventuais descompassos e distorções que geram o fenômeno da inconstitucionalidade.

O professor e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho da Unicamp, Marcio Pochmann, abordou as “Inflexões na sociedade brasileira e a questão social”, com ênfase nas heranças da antiga sociedade agrária, nas anomalias da sociedade urbana e industrial, bem como nas especificidades da atual transição para uma sociedade de serviços. “Entre 1940 e 1980 podemos observar uma estruturação diferente no mercado de trabalho, com expressivo crescimento de trabalhadores formais, de 12,9% para 50,6%. Nesse contexto também é importante ressaltar a queda de trabalhadores ocupados sem remuneração de 21,9% para 9,5%, o que gerou crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, mobilidade social e concentração da renda e refletiu, até 2008, na queda da exclusão dos pobres e analfabetos da política”, esclareceu.

Nesse contexto, Marcio Pochmann pontuou também, entre as anomalias da sociedade urbana e industrial, a regulação pública do trabalho assalariado, a segmentação do trabalho por mercado interno nas grandes empresas. Além da predominância da ocupação nas micro e pequenas empresas, a presença dos sindicatos oficiais de contida organização por local de trabalho, a predominância da cultura do dissídio coletivo, a intensa mobilidade social ascendente, especialmente de trabalhadores migrantes do campo para a cidade e de pequenas cidades para grandes centros metropolitanos e o registro dos monopólios sociais às categorias profissionais, como educação superior, saúde, habitação, entre outras, geradas do ponto de vista da sociedade para entender os desafios da atualidade. “O VIII Congresso é uma importante oportunidade aos profissionais liberais para ter um olhar mais amplo e ao mesmo tempo organizar suas atividades para além do congresso”, completou. O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Douglas Alencar, esclareceu os impactos decorrentes da proposta de alteração trabalhista que tramita no Senado, remarcou a importância de valores constitucionais, vinculados ao mundo trabalho e sobre tudo do valor do trabalho decente, assumido pelo Brasil, pela Confederação Nacional das Profissões Liberais e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). “Estamos diante de propostas no Congresso que priorizam de maneira bastante expressiva os interesses do patronato, desequilibrando assim a relação entre o capital e o trabalho. Essa modificação irá gerar uma série de discussões perante o poder judiciário, inclusive sobre a constitucionalidade dessas modificações, seja via controle concentrado perante o STF ou via controle difuso. Particularmente, a expectativa é que os valores constitucionais sejam preservados, que não hajam retrocessos e que se estabeleça uma relação harmônica entre o capital e o trabalho”, explicou.

Por fim, Douglas Alencar foi incisivo ao afirmar que o debate atual sobre as reformas estruturantes do país não se esgotará na arena parlamentar. “Os juízes hoje são agentes políticos conscientes de seu papel e estão comprometidos com os valores constitucionais. Esses valores anunciados no início do Artigo 7º, pontuam o compromisso na nossa ordem social, com a melhoria da condição social do trabalhador”, concluiu.

O Eixo Social contou com a coordenação da diretora da CNPL Maria de Fátima Antunes Fuhro e a relatoria do 2º vice-presidente da CNPL, Moisés Antônio Bortolotto.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial