Generic selectors
Somente termos específicos
Buscar em títulos
Buscar em conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas

Dirigente de federação obtém estabilidade mesmo após desfiliação de sindicato

Outras notícias

...

CNPL toma iniciativa de dialogar com autoridades em prol de seus filiados

A Confederação Nacional das Profissões Liberais, diante do momento socioeconômico e de riscos à saúde – em decorrência da pandemia…

Dia Nacional do Técnico e Auxiliar de Enfermagem

Em 20 de maio, é comemorado o Dia Nacional do Técnico e Auxiliar de Enfermagem. A data celebra e homenageia…

Assistente Social, Parabéns pelo seu dia!

Parabéns pelo dia do (a) Assistente Social! Hoje, 15 de maio, a CNPL presta sua homenagem a todos os profissionais…

Parabéns profissionais da área de Enfermagem

A FEDERAÇÃO, SINDICATOS E PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ENFERMAGEM: Neste dia 12 de maio, a CNPL presta homenagem a todos…

A desfiliação do sindicato da federação foi considerada equivalente ao fim do mandato.

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu a estabilidade provisória a uma camareira da Companhia Tropical de Hotéis da Amazônia que exercia o cargo de diretora suplente da federação representativa de sua categoria. O fato de o sindicato ao qual ela pertence ter se desfiliado da federação, segundo a Turma, não afasta a garantia de emprego.

Desfiliação

Em setembro de 2016, a camareira foi eleita para a direção da Federação dos Trabalhadores no Comércio do Estado do Amazonas (Fetracom/AM) para o quadriênio 2017/2021. No mesmo mês, o sindicato dos empregados se desfiliou da federação, mas a empresa só teria tomado ciência do fato em 11/12. Três dias depois, a empregada foi dispensada. A desfiliação acabou por se tornar objeto de disputa judicial e só foi confirmada em fevereiro de 2018.

Inócua

O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (AM/RR), ao rejeitar o pedido de reconhecimento do direito à estabilidade, assinalou que a desfiliação torna a estabilidade inócua, porque a empresa não teria “qualquer interesse em evitar movimento reivindicatório de direitos que não lhe afetam”.

Estabilidade

O relator do recurso de revista da camareira, ministro Breno Medeiros, lembrou que, de acordo com a Constituição da República (artigo 8º, inciso VIII) e a CLT, a empregada detinha a estabilidade provisória a partir do registro de sua candidatura ao cargo de direção sindical. Essa garantia de emprego se estenderia por até um ano após o término do mandato, salvo em caso de dispensa por justa causa.

No caso, porém, no curso do período da estabilidade provisória, o sindicato da categoria se desfiliou da federação e, com isso, deixou de ter a representatividade dos empregados do hotel. Para o ministro, essa situação equivale ao fim do mandato. A conclusão, portanto, foi que a camareira, ao ser dispensada, ainda era detentora do direito à estabilidade.

A decisão foi por maioria.

(MC, CF)

Processo: RR-1-22.2017.5.11.0013