Generic selectors
Somente termos específicos
Buscar em títulos
Buscar em conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas

MPT cria lista nacional de condenações por tráfico de pessoas e trabalho escravo

Siga e curta a CNPL nas Redes Soiais :)

Facebook
Facebook
Twitter
Instagram

Outras notícias

...

Estabilidade dos servidores públicos entra na mira do Congresso

Senado retoma apreciação de projeto, em tramitação há quatro anos, que prevê perda de cargo por desempenho insuficiente. Texto deve…

Reparações trabalhistas para vítimas de Brumadinho estão garantidas em acordo firmado entre o MPT e a Vale S.A.

Cônjuge, filhos e pais vão receber R$ 700 mil individualmente a título de dano moral mais seguro adicional por acidente…

Senado aprova anistia de empresas por débitos tributários oriundos de multas

O Plenário do Senado aprovou, nesta quarta-feira (10), o texto substitutivo ao projeto (PLC) 96/2018, que anistia débitos tributários pelo…

Aprovada MP da Liberdade Econômica, com regras trabalhistas e fim do eSocial

A comissão mista que analisa a medida provisória (MP) 881/2019 aprovou nesta quinta-feira (11) o relatório do deputado Jeronimo Goergen…

Nova lista não substitui em nada a lista suja do trabalho escravo, cuja obrigação de publicar é do Governo Federal

Brasília – O Ministério Público do Trabalho acaba de criar uma lista nacional que vai reunir as pessoas físicas e jurídicas condenadas pela Justiça do Trabalho por tráfico de pessoas e/ou submissão de trabalhadores a condições análogas às de escravo, em ações ajuizadas pelo próprio MPT.

“A referida lista não substitui, sobremaneira, a chamada lista suja, cuja obrigatoriedade de publicação é de competência do Governo Federal”, alerta o procurador-geral do MPT, Ronaldo Fleury. Além disso, segundo destaca a resolução, o Cadastro de Empregadores criado por Portaria Interministerial no âmbito da União (lista suja) contempla exclusivamente o resultado de procedimentos administrativos que tramitaram perante o antigo Ministério do Trabalho e Emprego por trabalho escravo, e não o resultado de ações judiciais do MPT.

A primeira divulgação da lista ocorrerá no prazo de 180 dias, a contar da publicação da Resolução de nº 168 do Conselho Superior do MPT, que está no Diário Oficial da União de hoje, 1º de julho de 2019, e terá atualização semestral, no site da instituição.

Serão divulgadas as decisões judiciais não sigilosas, proferidas em ações ajuizadas pelo MPT, e já publicadas, que contenham reconhecimento expresso de responsabilidade dos réus ou executados pelas violações já mencionadas. A inclusão dos empregadores na lista só se dará após confirmação, por órgão colegiado ou Tribunal, dessas condenações.

Para mais detalhes, acesse aqui a íntegra da resolução.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial