Generic selectors
Somente termos específicos
Buscar em títulos
Buscar em conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas

SUSTENTABILIDADE, UMA PAUTA GLOBAL E URGENTE

Siga e curta a CNPL nas Redes Soiais :)

Facebook
Twitter
Instagram

Outras notícias

...

CNPL promove seminário no dia 21 de maio

Na próxima semana, a CNPL promoverá um dia com diversas atividades, entre elas as AGO e AGE, além de palestras…

NOTA DE REPÚDIO

Sicontiba divulga Nota de Repúdio contra Emenda Aprovada de “Mordaça” aos Auditores da Receita Federal do BrasilO Sindicato dos Contabilistas de…

Nota sobre a Greve Nacional da Educação

A Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), tendo em vista serem as universidades que formam todos profissionais por ela representados,…

Campanha do MPT divulga conquistas dos trabalhadores obtidas pela atuação de sindicatos

“Conheça quem te representa” é o convite feito no mês dedicado à conscientização da importância das boas práticas sindicais, o…

O encerramento do VIII Congresso Nacional da Confederação Nacional das Profissões Liberais apresentou duas palestras que fizeram jus à temática voltada para a inserção dos trabalhadores profissionais liberais nos conceitos preconizados pelo Eixo Sustentável, através do quais cada trabalhador ou cidadão deve orientar suas ações de vida e produtivas orientadas segundo os ditames de observar práticas de trabalhos e de produção de bens e serviços voltados para o respeito ao meio ambiente, à melhoria da qualidade vida e às boas práticas de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente planetário.

Com o intuito de enfatizar e reforçar a necessidade de conexão com essas boas práticas de respeito à vida e ao meio ambiente, a CNPL foi buscar dois palestrantes realmente capazes de desmistificar as sombras e dúvidas que pairam quando o assunto recai sobre a responsabilidade de adquirirmos e colocarmos em prática o exercício diuturno da convivência harmoniosa com nosso planeta.

Nelton Fiedrich, especialista em desenvolvimento sustentável e Renato Tagnin, professor e pesquisador em planejamento ambiental, foram os nomes escolhidos pela organização do Congresso para trazer ao primeiro plano essa discussão e busca de soluções que impactam de forma decisiva o futuro da humanidade e a exploração racional e sustentável do planeta.

Crise planetária e civilizatória

Logo no começo de usa palestra, o Nelton Friedrich já impactoi a plateia ao apresentar um leque de elementos que vem pondo em risco, de forma sistemática, a sobrevivência e a qualidade de vida dos seres humanos.

Dentre os elementos listados, Friedrich citou o mau uso ou a eliminação e contaminação dos recursos hídricos (talvez o mais grave, segundo ele), produção e desperdício de energia, a questão do aquecimento global, do modelo de desenvolvimento social pautado nas injustiças e desigualdades sociais que deságuam em epidemias nas áreas de saúde menta e física.

“O fato redundante das constatações acima, é que podemos depreender que tanto o planeta quanto a sociedade estão enfermos. Portanto, urge, intensificar-se uma discussão muito mais aprofundada em relação aos parâmetros que atualmente regem as discussões sobre a vida das pessoas e no futuro da vida sobre a terra”, pontificou Friedrich.

Em sua explanação, o especialista trouxe dados deveras preocupantes da devastação ambiental em nível global, como por exemplo o índice crescente de desmatamento, do aumento da emissão de CO2 na atmosfera, o que ocasiona um aumento co, gastos na saúde da ordem de trilhões de dólares só com, o tratamento de moléstias advindas desse flagelo, isso sem falar na ocorrência diretas de mortes advindas dessa falta de cuidado com o meio ambiente.

Nesse ponto, Friedrich foi enfático ao denunciar a postura do governo de, embora signatário, vir descumprindo e postergando, a implementação dos dispositivos da agenda 2030, da ONU, que limita o porcentual de lançamento de CO2 na atmosfera, como também a demora na implantação das 17 diretrizes das ODS.

Sustentabilidade e trabalho

Como exemplo de sustentabilidade e responsabilidade com o uso de recursos naturais e sua profunda relação com a vida e o trabalho dos seres humanos, Friedrich apresentou dados do relatório Relatório High and Fly: Climate Change, Water, and the Economy, do Banco mundial que sinaliza que a escassez de água, em nível global podem reduzir em 6% o crescimento do PIB mundial em 6% até o ano de 2050.

“As alterações climáticas terão impacto em primeiro lugar, no ciclo de água, com consequências na alimentação, energia, sistemas urbanos e ambientais, provocando grave falência nas relações de trabalho, uma vez que 80% dos empregados gerados no mundo envolvem e dependem diretamente da água”, finalizou o especialista.

Onde estava a floreta que estava aqui? Não menos empatai foi a abertura do professor Renato Tagnin, que sob o título “A sustentabilidade dá trabalho e futuro” apresentou mapas comparativos demonstrando a fragmentação das florestas através do planeta em um curto espaço geológico de oito mil anos. A visualização dos quadros, lado a lado ilustrou a capacidade predatória da raça humana com a nossa cobertura vegetal em nome do progresso e que, segundo o especialista, trouxe a reboque um sem número de problemas atrelados a degradação dos ecossistemas.

“Entre as causas que proporcionaram essa degradação dos ecossistemas, podemos listar causas como mudança de habitat; mudança climática. Espécies (humanas, animais e vegetais) invasoras, não pertencentes àquele ecossistema; superexploração e a conseqüente poluição”, explicou Tagnin.

Em se tratando especificamente do Brasil, Tagnin também alertou par a venda e uso indiscriminado de agrotóxicos no País, além da prática criminosa de queimadas como forma de preparar a terra para o plantio e criação de animais.

No rastro do pouco caso no cuidado e manutenção dos ecossistemas, Tagnin lista um a série de atividades laborais e empresarias que colaboram de forma inexorável para a degradação ambiental.

“O leque de atividades lesivas aos diversos ecossistemas que compõem o cenário natural brasileiro podemos citar, entre outros, a construção e operação de termoelétricas; o plantio de culturas transgênicas; a pecuária extensiva; a prática da monocultura; mineração, garimpo e siderurgias; extração madeireira; barragens e hidrelétricas, dentre muitas outras práticas que exaurem e/ou destroem ecossistemas inteiros”, concluiu Tagnin.

Ao fim da exposição, ambos os palestrantes, de comum acordo, elogiaram a iniciativa de a CNPL trazer para o campo do trabalho as necessárias transformações para as práticas sustentáveis. A sugestão final, dos especialistas foi de que a CNPL trouxesse pars si, o protagonismo global dessa discussão no âmbito trabalhista.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial